24.12.14

O Pai Natal existe???





Natal. Cada vez mais do consumismo e menos do Menino Jesus. Com uma abundância cada vez maior de centros comerciais e menos de solidariedade. Com mais árvores luminosas que atitudes humanitárias. Confesso que, com a idade, me tornei céptico relativamente à natureza humana, tendo de procurar mais e mais fundo o espírito de bondade e empatia que verdadeiramente deveria estar subjacente à quadra que agora atravessamos.


Mas há um aspecto que me continua a encantar - e que simultaneamente me desencanta ver ser destruído pelo racionalismo vigente: a existência do Pai Natal. Há algo muito, muito importante subjacente à sua figura: o universo mágico das crianças. Quando me perguntam porque continuo a alimentar a história com a minha prole, perante o dilema de estar a “mentir-lhe”, eu respondo: “- O Pai Natal existe! Ele vai a minha casa todos os anos! Podemos vê-lo, tocar-lhe, conversar com ele! E traz um saco cheio de prendas!” E a prova são as fotos deste post: imagens com quase 30 anos, em que me revejo num corpo de menino, na companhia de irmãos, primos, pais, tios e avós, alguns deles já partidos. Muito para além da questão dos presentes, e que procuro moderar/moralizar, há uma outra vertente que me parece muito mais relevante, e que conta com outras personagens “imaginárias” como fadas, duendes, elfos e gnomos: a capacidade de acreditar no fantástico, de ver o que (ainda) não existe, de fechar os olhos e ser capaz de criar mundos fabulosos que, só por existirem na nossa mente, se tornam reais!


Confrange-me observar adultos a destruírem essa magia a crianças que dela precisam como alimento para a alma! Como podemos nós esperar que surjam mentes brilhantes, criativas, capazes de inventar o que não existe, se não lhes alimentarmos, em criança, essa capacidade de ver o que não se pode tocar? Terá Henry Ford sonhado em bebé com veículos automóveis? Imaginaria Steve jobs na escola primária que poderia revolucionar o mundo com os seus Macs, iPods e iPhones? O que seria da Humanidade se não houvesse mentes excêntricas e fora do baralho para nos fazer avançar como sociedade, cabeças algo loucas que ousem pensar de forma diferente, quebrando convenções, arriscando a diferença?






Gosto de brincar à fadas, gosto de passear na floresta em busca dos seres mágicos, gosto de conversar com crianças sobre amigos imaginários, gosto de as escutar divagar sobre o que pulula nas suas mentes fervilhantes, ainda sem as barreiras da objectividade e realidade a castrar a sua capacidade criativa! Lembro-me, já na escola primária, com 7 anos, de uma senhora me ter explicado muito bem que o Pai Natal não existia, que não descia a chaminé e que era apenas um adulto disfarçado. Como se fosse hoje, na sua cozinha, num apartamento de Oeiras. E recordo a convicção inabalável com que refutei as suas palavras – afirmando que tal era mentira, que o MEU Pai Natal existia, que todos os anos batia à porta das escadas do sotão e nos fazia sonhar e sorrir! Para mim, ele existia. Para mim, ele continua a existir. Com os meus irmãos, fomos progressivamente adaptando a nossa visão desta figura. Fomos promovidos a ajudantes de Pai Natal, quando ele estava já demasiado velhote para conseguir estar em todas as casas do mundo ao mesmo tempo. Fomos crescendo com a ilusão a mesclar-se com a realidade, sem cortes, sem choques. Não roubemos aos infantes o que de mais precioso têm: o seu mundo, real ou imaginário, sem distinção de valor entre estes...

E já agora, um feliz e humano Natal, cheio de magia. Da boa!


Sem comentários:

Publicar um comentário