5.4.13

Marraquexe, terra de deus

Terra de deus... é assim que Marraquexe é conhecida entre o povo berber, os habitantes originais do território que hoje engloba Marrocos e alguns dos países vizinhos. Antigo entreposto comercial nas rotas do Sahara, foi ganhando dimensão e notoriedade ao longo dos séculos, tornando-se numa das mais magnéticas e vibrantes metrópoles do Norte de África. Para encontrar o seu coração, nada mais há a fazer que seguir as placas para "a praça".  Jemaa El-Fna, lugar verdadeiramente único, a que nem a mais imaginativa adjectivação fará a devida justiça: caos com ordem, lógica na desarrumação, cocktail sentitivo em que nos vemos completamente submergidos por todos os estímulos possíveis: visuais, auditivos, tácteis, olfactivos... e, naturalmente, gustativos, se nos decidirmos a experimentar uma das largas dezenas de bancas com restaurantes capazes de deixar apoplético qualquer inspector da ASAE e que, noite após noite, são montadas e desmontadas no topo Norte praça.

Durante quatro intensos dias percorremos a medina, com os seus souks, a praça, a zona da mesquita Koutoubia, o bairro judeu, a madrassa e ainda Gueliz, na parte nova... E a cada regresso surpreendo-me com o que tem para oferecer! O inesperado espreita a cada esquina: as combinações de luz, os cenários em mutação constante, os personagens, sempre imprevisíveis e temperamentais, tudo cria uma tensão a que é fotograficamente impossível resistir!



Por outro lado sinto como um privilégio a possibilidade de partilhar com gente interessante e interessada este mundo que, não sendo de forma alguma inacessível a viajantes independentes, exige algum tempo e espírito para ser descoberto de mote próprio se se quiser ir um pouco além da superficie... Para lá da praça, da Koutoubia e das ruas principais dos souks há toda uma outra cidade de gente normal, que vive o seu quotidiano de forma pacífica e afável: mercados de roupa usada, fornos de pão comunitários ou mercearias e ervanárias em que raramente se vê um rosto ocidental são comuns, acessíveis e, por vezes, até mais interessantes que o ícones por demais conhecidos. Os marrakashi, por seu lado, estão tão familiarizados com a fotografia que acabam por ter duas reacções quase antagónicas, dependendo do humor do dia: por um lado, aquela já se incorporou como parte do seu quotidiano, o que os leva a ignorá-la. Mas, compreensivelmente até, dadas as hordas de turistas que assolam as zonas mais batidas, alturas há em que ficam fartos e reagem algo exageradamente à visão de qualquer máquina fotográfica, mesmo que apontada na direcção oposta!

Equipamento pequeno e discreto é, para mim, a solução. Adoro por exemplo parar na Jemaa El-Fna, com um sumo de laranja numa mão e a máquina na outra, encostado à sombra a uma das carroças e ir captando o que naquele cenário indescritivelmente fotogénico acontece. Ou subir a um dos pequenos terraços da medina, todos praticamente à mesma altura, e criar fotogramas olhando de cima, numa perspectiva superior mas não sobranceira, como se flutuasse por artes mágicas num tapete voador das 1001 noites (algo que, por estas bandas, ninguém estranharia).







Sem comentários:

Publicar um comentário