11.4.13

Viagem interior


Desde há muito que Marrocos se me escapulia como destino... Sentia-o aqui tão perto, mas sempre algo se interpunha entre nós...! Em 2001 tive uma viagem completamente programada, estudada, bem perto de acontecer... mas não estava escrito que assim fosse. Fast forward para uns anos mais tarde: o primeiro impacto que recordo do Norte de África foi à saída do pequeno avião, na placa do aeroporto, num (suposto) primaveril dia de Março - o calor opressivo, o cheiro a pó intenso, a luz ofuscante! O encanto começava. Mas sabia, também, o desafio que me esperava: descobrir, sozinho, o âmago de Marraquexe!

Buscar a essência cultural desta cidade, tentar descobrir os seus recantos menos visíveis e aproximar-me, tanto quanto possível, dos seus habitantes foi o objectivo que durante dias a fio persegui. Conseguir imagens bonitas em Marraquexe não é difícil. É uma entidade absolutamente fotogénica! A quantidade e diversidade de temas, cores, padrões gentes é tanta que o verdadeiro desafio é conseguir ir além dessa capa esfusiante, hipnotizante, mas que, ainda assim, esconde algo mais profundo.



Uma das coisas que notei assim que comecei a familiarizar-me com a cidade foi que, ao contrário de outros locais (Praga, na República Checa, vem-me à cabeça como o exemplo mais paradigmático), e por muito turística que seja, a metrópole não pertence aos turistas, mas sim aos seus residentes. E isso é imensamente aliciante para um fotojornalista, mesmo que com tempo contado. Até a praça Jemaa el-Fna está repleta de locais, que a vivem com tanta ou mais intensidade que os forasteiros! E não apenas o estereótipo das mulheres muçulmanas enfarpeladas da cabeça aos pés, ou dos homens de farto bigode. A cena cultural de Marraquexe é vibrante, e está no mapa internacional de muitas celebridades. A dois passos da Koutoubia o mítico Hotel Mamounia conta como hóspedes regulares estrelas de Hollywood, tendo sido pouso de figuras históricas como Winston Churchill, Franklin Roosevelt ou o cineasta Alfred Hitchcock.




Mas os verdadeiros tesouros estão longe do glamour da elite marrakshi. Um pequeno vislumbre da vida “normal” foi-me dado por Kamal, um artesão marroquino que se dedica a criar bolas de futebol e râguebi de cabedal, similares às que rolavam nos campos pelados do início do século passado. A sua La Clinique du Ballon (Clínica da Bola, em francês), bem no emaranhado labiríntico dos souks, é um cubículo de 2 ou 3m2, atulhado e escuro, mas em que o cheiro a pele curtida e cola de contacto nos anestesia. Numa 6ª feira (dia de descanso para os muçulmanos), e numa medina quase deserta, encontrei-o a finalizar uma dessas bolas que havia visto em documentários antigos, mas nunca em pessoa. Entabulei conversa, e ao fim de uns minutos falávamos de tudo menos de esféricos (o que, dada a minha parca cultura futebolística, me aliviou bastante, confesso!). Meses mais tarde, voltei-o a visitar. A minúscula oficina estava bem diferente. Kamal mostrou-ma orgulhoso – pintada de branco, encontrava-se agora mais limpa e luminosa... embora muitíssimo menos interessante fotograficamente. Convidou-me para um chá de menta, na viela, sentados em latas de tinta viradas ao contrario. O tempo passou-se, numa conversa franca, agradável. Pelo meio, a sua esposa visitou-nos, montada numa potente scooter branca. Após uma curta discussão doméstica, no meio da rua, pouco diferente das que já muitas vezes presenciara em várias partes do mundo, e de que fui testemunha involuntária, continuámos. Apenas o movimento dos ponteiros do relógio, inexorável, me arrancou dali. A sua banca passou a ser, sem dúvida, um dos locais incontornáveis das minhas visitas a Marraquexe! Um dia hei-de vencer a minha aversão ao futebol e trago uma daquelas bolas lindas. Ou talvez não. As de râguebi têm muito mais pinta...!



Sem comentários:

Publicar um comentário